quarta-feira, julho 07, 2010

Golpista seduzia e extorquia mulheres que conhecia pela internet

Golpista seduzia e extorquia mulheres que conhecia pela internet
Cruzeiro On Line SÃO PAULO - [ 06/07 ]

Com um enredo que envolvia de ascendência russa e alemã a ameaças da máfia chinesa, Douglas Coelho de Oliveira, de 27 anos, enganou a namorada que conheceu pela internet e tentou extorqui-la em US$ 74 mil. Acabou preso no último dia 24 num shopping da zona oeste de São Paulo. Outras três mulheres já procuraram o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) para denunciá-lo.
Oliveira e a vítima, uma paulistana de 32 anos, conheceram-se por meio de um site de relacionamentos em fevereiro deste ano. O estelionatário apresentou-se como Maurício Coelho Kojoskowhitt Zimmernann. A combinação do sobrenome era decorrente da mãe russa e do pai alemão. O rapaz afirmava ainda ser fiscal da Receita Federal e tradutor. Em meio à relação, o estelionatário depositou na conta bancária dela um cheque de R$ 20 mil. Alegou que a conta dele fora bloqueada por estar afastado da Receita. Após o cheque ser compensado, pediu o cartão da namorada e a senha para movimentar o dinheiro. Gastou os R$ 20 mil e muito mais, com conivência dela.
Além disso, nesse período, viajou para o Nordeste com a namorada, às custas dela. Submeteu-se a operações plásticas no rosto e no abdome, também pagas por ela. No fim, recebeu dela um Jetta, modelo de luxo da Volkswagen, cujo preço parte de R$ 79 mil. O carro foi financiado. Diante dos crescentes gastos, a família da vítima a questionou sobre o relacionamento. Desconfiada, a paulistana procurou o Deic no início do mês passado e descobriu que o Maurício não existia. "Havia inclusive na internet páginas alertando que ele era estelionatário", afirmou o delegado Jan Plzak, do Deic.
A vítima tentou terminar o namoro. Oliveira inventou, então, uma nova história. Afirmou à vítima que um ex-namorado dela contraíra uma dívida com a máfia coreana. Se o débito não fosse quitado, os criminosos matariam algum familiar dela. O caso de estelionato transformou-se em extorsão e o Deic orientou a paulistana a tentar diminuiu o valor. A vítima conseguiu reduzir a cobrança de US$ 74 mil para R$ 23 mil e combinou de entregar num shopping. Ao pegar o dinheiro dela atrás de uma pilastra, recebeu voz de prisão. "Ele se mostrou muito arrogante e falou: ‘Vocês não sabem com quem estão mexendo’", relembra o delegado.
Oliveira morava em Diadema, na região do ABC. Reunia duas passagens na polícia por uso de documento falso e outra por falsidade ideológica. Afirmou ser tradutor, mas fala apenas português. Está preso no Centro de Detenção Provisória de Pinheiros (CDP), na zona oeste da capital. (Elvis Pereira - AE)

Campanha esquenta no Twitter

Campanha esquenta no Twitter
Marina foi a única a divulgar o número do partido
Duilo Victor

Na primeira eleição presidencial da era das redes sociais da internet, o corpo-a-corpo virtual começou para valer ontem. O Twitter, site em que internautas publicam mensagens de até 140 caracteres, foi um termômetro para medir a popularidade dos principais candidatos no pontapé inicial da campanha.
Ontem, o perfil da candidata Marina Silva (PV) foi a que mais avançou em número de seguidores neste início: 1.567. José Serra (PSDB) conseguiu 1.189, e Dilma Rousseff (PT), 365. O levantamento foi feito com base em dados do site Twitter Counter e nos próprios perfis dos candidatos, até as19h50m.
Notívago, Serra aproveitou a madrugada para comemorar o resultado das escolas paulistas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), e colocar o primeiro vídeo de um militante do partido pedindo voto para ele. No site oficial, Serra faz referência ao primeiro dia de campanha, em Curitiba.
Na página, no entanto, ainda não há referência direta ao número do partido.
Já Dilma aproveitou para divulgar a agenda que fez ontem, em Porto Alegre, e convocar eleitores: “Chegou a hora de ir às ruas.
Queremos uma campanha de alto nível...”. E nada de divulgar o número de campanha.
De acordo com a legislação eleitoral, candidatos só podem mandar e-mail para eleitores que se cadastrarem no site. Dilma aproveitou sua página oficial para pedir o cadastro e começou a campanha à 0h48m da terçafeira, com a primeira mensagem eletrônica.
Com o título “Agora é Dilma”, o corpo do e-mail manda uma mensagem para a campanha de Serra, mas sem citá-lo: “Se eles insistem em dizer que podem mais, nós mostraremos que blefar não basta!”.
Marina Silva foi a única que associou seu rosto ao número do PV. De cara, tem um link para que o internauta cadastre seu e-mail com a intenção de fazer doações para a campanha.
No Twitter, não pediu voto. Ela respondeu a leitores, chamou atenção para o Código Florestal e aproveitou para divulgar que visitaria Campo Limpo, em São Paulo.

Juscilan

Programa não existiria sem os da gestão FH, diz Serra

Programa não existiria sem os da gestão FH, diz Serra
Silvia Amorim - Enviada especial
CURITIBA. Com um discurso em defesa da paternidade do PSDB sobre programas que resultaram no Bolsa Família, o candidato tucano a presidente, José Serra, assinou ontem, em Curitiba, uma carta em que se compromete com a manutenção e a ampliação do programa social.
Num pronunciamento com ataques duros à condução da área de assistência social pelo governo Lula, Serra afirmou que não haveria Bolsa Família sem as ações implementadas na gestão do ex-presidente Fernando Henrique.
— No Ministério da Saúde, eu criei a Bolsa Alimentação. O Paulo Renato criou o Bolsa Escola, no governo Fernando Henrique, com a Ruth Cardoso. O Bolsa Escola chegou a ter 5 milhões de famílias e havia, além do mais, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil.
Esses foram juntados no Bolsa Família. Sem eles, não teria tido o Bolsa Família — disse Serra, para um público de cerca de mil pessoas no Paraná Clube, a maioria trabalhadores da área de assistência social, concluindo: — Portanto, nós temos tradição nessa área.
Vamos caminhar no aperfeiçoamento para a ação dinâmica, para o desaparelhamento partidário da assistência social no Brasil.
O evento foi organizado por gestores do setor ligados a PSDB e DEM. Eles elaboraram a carta social assinada por Serra, chamada pela campanha tucana de Carta de Curitiba. O texto agora será distribuído a prefeituras numa tentativa de minar os rumores de que Serra, se eleito, acabará com o programa.
Serra defendeu uma maior descentralização das ações no setor.
— Eu fecho com vocês. O Bolsa Família, como diz aqui no documento, não pode ser barriga de aluguel da assistência social. Ele tem que estar plasmado, incorporado a toda a rede de assistência social. Temos que ter um sistema único de assistência social — disse, completando: — Essa carta é preciosa. Ela preconiza a organização da assistência social, que está muito centralizada. A centralização é ineficiente.
O tucano também tentou relativizar um dos principais discursos da campanha da adversária Dilma Rousseff (PT) de que o Bolsa Família é o maior programa social do país.
— Vocês sabem qual é o segundo maior benefício do Brasil, depois da Previdência É a Lei Orgânica da Assistência Social. Ela foi aprovada na Constituinte. Quem começou a pagar O governo Fernando Henrique. Sabe quanto é o benefício São mais de R$ 16 bilhões para pessoas com deficiência e idosos em situação de abandono.
É o maior programa de transferência de renda do Brasil. É incrível que seja ignorado.
Serra prometeu tirar as atuais 15 milhões de famílias que estão abaixo da linha da pobreza dessa situação.
— Outra questão em relação ao Bolsa Família é o seguinte: nós temos no Brasil abaixo da linha de pobreza 15 milhões de famílias com renda per capita familiar de até meio salário mínimo.
O Bolsa Família não cobre isso. A nossa meta é partir para erradicar a pobreza de todas as famílias abaixo da linha de pobreza. Todas. É possível fazer isso. Eu posso assegurar.
Sem citar nomes, o presidenciável disse que, ao contrário dos tucanos, “tem gente” que leva vantagem por fazer bem o trabalho de marketing mesmo sem ter o que mostrar.
— Tucano nunca foi bom de comunicação.
Tem gente que já nasce com a comunicação no DNA, que cria programas que nunca acontecem, e a comunicação é tão boa que a população aplaude o programa.

Marina diz que proposta de Aldo é 'retrocesso na legislação ambiental'

Marina diz que proposta de Aldo é 'retrocesso na legislação ambiental'
Candidata afirma que vai voltar ao Senado para tentar impedir aprovação
Sérgio Roxo – O Globo

SÃO PAULO. A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, afirmou ontem que voltará ao Senado para batalhar contra a aprovação da reforma do Código Florestal, quando o projeto passar a tramitar na Casa. Marina afirmou à tarde, em atividade de campanha na Zona Sul de São Paulo, que a mudança do Código Florestal, nos termos em que estava sendo defendido por Aldo Rebelo, seria “um dos piores retrocessos na legislação ambiental na História do Brasil” e defendeu que a sociedade se mobilize para evitar isso.
No entanto, a candidata afirmou que ainda vai analisar o conteúdo do projeto para decidir melhor como irá votar em relação à matéria.
Vou olhar o mérito do que foi aprovado porque, segundo eu soube, o deputado Aldo Rebelo mudou algumas coisas, mas a bancada ruralista acabou apresentando uma série de destaques. Aí vou ver se os destaques foram ou não foram aprovados, o que substancialmente temos. Só acho que estou retornando ao Congresso Nacional para quando chegar no Senado fazer, como sempre, o bom combate na defesa do desenvolvimento sustentável e proteção das florestas — disse a presidenciável.
Para candidata, agricultura não precisa de mais espaço Ao comentar as emendas da bancada ruralista para mudar o Código Florestal, a candidata do PV a presidente argumentou que a agricultura não precisa de mais área do que já possui para se desenvolver no país.
— Que (os agricultores e empresários do agronegócio) reivindiquem mais recursos, mais tecnologia para que possa aumentar a produção pelo aumento da produtividade, sem reivindicar aumentar a produção pela expansão da fronteira agrícola sobre as florestas.
É isso que os empresários de vanguarda e os agricultores de vanguarda estão fazendo na prática e pode muito bem ser transformado em política pública — afirmou.
Marina deve restringir atuação no Senado Marina, ex-ministra do Meio Ambiente do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, estava licenciada do cargo de senadora pelo Acre para poder se dedicar à pré-campanha, mas pode retornar à função desde que registrou a candidatura a presidente na quinta-feira da semana passada.
Como candidata, Marina não tem faltas contabilizadas.
Mas a presença da presidenciável no Senado durante a campanha, que vai até outubro, deve ficar restrita às votações consideradas por ela importantes.

ELVIS, para o Correio Amazonense

CAZUZA - CODINOME BEIJA FLOR

Novo Código Florestal anistia desmatadores

Novo Código Florestal anistia desmatadores
Segundo dados do Greenpeace, governo vai abrir mão de R$8 bilhões em multas aplicadas entre 1998 e 2008
Jailton de Carvalho - O Globo

BRASÍLIA. Depois de um ano de discussão, a Comissão Especial da Câmara aprovou ontem, por 13 votos a 5, a reforma do Código Florestal que prevê anistia para os proprietários rurais acusados de desmatamento ilegal até 22 de julho de 2008. Pelos dados do Greenpeace, com o perdão, o governo vai abrir mão de R$8 bilhões em multas aplicadas entre 1998 e 2008 na Amazônia Legal. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) diz que não tem dados para calcular quanto deixaria de arrecadar.

"Vamos conversar lá fora, ordinário", diz ruralista
O relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) foi aprovado numa sessão marcada por tensão e bate-boca entre parlamentares, e também entre ambientalistas e ruralistas, que lotaram a sala reservada para a votação. O deputado ruralista Luiz Carlos Heinze (PP-RS) chamou Zequinha Sarney (PV-MA) de entreguista. Depois, quis brigar com Ivan Valente (PSOL-SP).
- Vamos lá fora conversar. Vamos lá fora, ordinário - esbravejou Heinze.
- Ordinário é você - retrucou Valente.
Os dois foram impedidos de brigar por um cordão de isolamento dos seguranças. Isolados na comissão dominada por ruralistas, Valente, Zequinha e Edson Duarte (PV-BA) tentaram sem sucesso obstruir a votação. Verdes e socialistas acusam Aldo Rebelo de se render à pressão da bancada ruralista.
- Pela felicidade dos ruralistas, dá para ver que o projeto foi construído em função dos grandes proprietários, dos exportadores - disse Ivan, após a aprovação do texto básico.
Pelo projeto, todas os proprietários multados por desmatamento ilegal até 22 de julho de 2008 serão perdoados, se aderirem ao Programa de Regularização Ambiental, compromisso de recuperação das áreas devastadas. Em 22 de julho de 2008, entrou em vigor o decreto 6.514, que proíbe financiamentos por bancos estatais a proprietários acusados de extração ilegal de madeira. Para Aldo, o perdão devolverá à legalidade mais de 90% dos proprietários.
O relatório também prevê a redução das áreas de proteção às margens dos rios com até cinco metros de largura, de 30 para 15 metros. Hoje, a faixa mínima de vegetação ciliar não pode ser inferior a 30 metros. O projeto ainda determina que as faixas da vegetação ciliar sejam calculadas a partir da menor borda (quando os rios estão mais estreitos). Pela lei em vigor, esses cálculos devem levar em conta as bordas maiores (quando o leito está cheio).
Para ambientalistas, a simples troca da expressão "borda maior" por "borda menor" significará uma das maiores brechas para o desmatamento. O relatório de Aldo livra pequenos proprietários de recompor vegetação nativa devastada até a promulgação da nova lei. Pelo código, pequenos proprietários são os donos de imóveis de até quatro módulos fiscais - medida que varia com a região: na Amazônia, pode chegar a 400 hectares.
As medidas são reivindicações da bancada ruralista, mas Aldo sustenta que adotou providências para proteger o meio ambiente. Entre elas, a proibição de desmatamento para atividades agropecuárias por cinco anos, depois da aprovação da lei. Mas o projeto abre exceção para quem já dispõe de licença ou para quem pedir autorização para desmatar até a promulgação da lei.
- O projeto foi elaborado com vistas ao interesse de toda a sociedade, e não de um segmento - defendeu Rebelo.

Ativistas do Greenpeace são retirados por seguranças
Na sessão, ativistas do Greenpeace invadiram a área reservada aos parlamentares e estenderam faixas com a inscrição "Não vote em quem mata florestas". Aldo intercedeu em favor dos manifestantes, mas o presidente da Comissão, Moacir Michelleto (PMDB-PR), determinou que eles fossem retirados à força. Ao fim da votação, deputados e proprietários rurais presentes à sessão deram as mãos e gritaram "Brasil" repetidas vezes. Ambientalistas responderam com gritos de "retrocesso".
O projeto irá agora ao plenário da Câmara. Mas o acordo entre os parlamentares é que a proposta só seja votada depois das eleições. Se aprovado, terá que passar ainda pelo Senado.

Jellyfish Lion's Mane


Fotografia por Paul Nicklen

Brasil - Cazuza e Gal Costa - 1989

Ataque aéreo mata 13 rebeldes das Farc na Colômbia

Ataque aéreo mata 13 rebeldes das Farc na Colômbia
Guerrilheiros tentavam restabelecer presença em área estratégica, de onde se pode observar Cartagena e a costa caribenha
Treze integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) foram mortos em um ataque aéreo na Colômbia, entre eles, dois líderes da organização. Os guerrilheiros estavam tentando retomar uma estratégica área de montanhas perto da costa caribenha quando foram bombardeados.
De acordo com fontes da Inteligência Colombiana, eles haviam sido enviados para a missão pelo número dois das Farc, Ivan Márquez que, acredita-se, estaria vivendo na Venezuela.
Márquez faz parte do grupo de sete pessoas conhecido como Secretariado, que comanda a organização.
Ele é o chefe da Frente Internacional dos rebeldes, que cuida das relações internacionais do grupo. O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, afirmou que a ação militar foi um "recado" para Márquez.
Imagens do ataque aéreo mostram uma área da selva destruída e queimada, que seria o local onde os aviões da Força Aérea Colombiana bombardearam um acampamento dos rebeldes em Montes de Maria, na província caribenha de Bolívar.
Os guerrilheiros das Farc estavam tentando restabelecer sua presença na área, de onde se pode observar Cartagena e a costa caribenha.
O presidente Álvaro Uribe, que fez da guerra contra a organização o marco de seus dois mandatos no governo, enviou uma mensagem para Márquez, a quem ele chamou de "diplomata do terror".
"Nós sabemos onde está Ivan Márquez", disse o presidente, afirmando que a ação militar foi um "recado para ele" e para os planos das Farc de retomar o controle sobre algumas áreas da Colômbia.

Aviões da Otan matam por acidente cinco soldados afegãos

Aviões da Otan matam por acidente cinco soldados afegãos
CABUL - Cinco soldados do Exército afegão morreram nesta quarta-feira e dois ficaram feridos por acidente em um ataque aéreo das forças aliadas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), informaram autoridades.
Os soldados iriam fazer uma emboscada em um grupo de insurgentes na província de Ghazni, quando aviões da Otan começaram a disparar sem avisar, segundo o porta-voz do Ministério da Defesa afegão, general Mohamed Zahir Azimi.
Azimi condenou as mortes por "fogo amigo" no momento em que as forças internacionais buscam melhorar sua coordenação com os afegãos para eventualmente transferir para eles as responsabilidades de segurança.
- Não é a primeira vez que um incidente deste tipo acontece, mas esperamos que este possa ser o último - disse Azimi.
O porta-voz da Otan, Josef Blotz, confirmou o ataque acidental e disse que lamentava as mortes. Blotz acrescentou que uma investigação conjunta sobre o incidente foi iniciada.
Mais cedo, três militares americanos morreram no sul do país pela explosão de uma bomba, segundo informou mais cedo a Otan.
Duas das vítimas morreram no momento da explosão, ocorrida na terça-feira, e a terceira faleceu mais tarde, disse a aliança em um comunicado, que não deu detalhes sobre as identidades dos mortos.

Gaivota-cabeça-preta, na Inglaterra


Fotografia por Hoyle Christopher   Eu estava tirando fotos do cenário, perto do Lago Windermere, no Reino Unido Esta gaivota de cabeça preta estava voando em minha direção. Aquele olhar intenso deve ser a última coisa que muitas pequenas criaturas ver.

Avião movido a energia solar inicia voo histórico

Avião movido a energia solar inicia voo histórico
Um avião experimental que funciona com energia solar decolou no início da manhã desta quarta-feira de um aeródromo na Suíça para um voo de 25 horas, um teste da capacidade do aparelho de voar à noite, após ter as baterias carregadas durante o dia. (Foto: AFP) 
O Solar Impulse partiu da pista em Payerne, região oeste da Suíça, alcançando 35 km/h antes do piloto Andre Borschberg executar a operação de decolagem às 6h51 (1h51 de Brasília) para um voo que deve durar 25 horas.
O avião tem como única fonte de energia 12 mil células fotovoltaicas que cobrem suas asas e alimentam os quatro motores elétricos, com potência de 10 CV cada. Também permitem recarregar as baterias de lítio polímero de 400 kg.
O aparelho demonstrou funcionar bem durante o dia, com um primeiro voo de sucesso em 7 de abril e outros 10 desde então. Agora precisa ser aprovado no teste noturno, para testar a capacidade das baterias de serem carregadas suficientemente durante o dia e alimentar o avião durante horas sem sol.

Paraíba tem 100 cidades com falta de água

Paraíba tem 100 cidades com falta de água

Pelo menos 100 municípios paraibanos estão sofrendo por falta de água e sendo abastecidos por carros pipa do Exército Brasileiro. Ontem, a Defesa Civil do Estado encaminhou ofícios aos prefeitos das cidades atingidas orientando como devem proceder para solicitar o serviço diretamente em Brasília, agilizando a chegada da água e evitando que o abastecimento seja suspenso por falhas burocráticas. A Secretaria de Infraestrutura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente revelou que grandes obras de abastecimento de água estão sendo concluídas e, a partir do mês de setembro, dois milhões de paraibanos estarão imunes à seca.
De acordo com o gerente executivo da Defesa Civil da Paraíba, coronel Sinval Pinheiro Borges, as regiões que mais sofrem com o problema são o Sertão e Cariri, e a que está mais livre do problema é o Litoral do Estado. Segundo ele, as causas dessa falta de água já são bem conhecidas: pouca chuva e falta de reservatórios suficientes para garantir o abastecimento da população.
“Tem município que precisa de carro pipa os 12 meses do ano. Às vezes até chove consideravelmente nas cidades do interior, mas aí não tem reservatório para guardar essa água do período chuvoso. Outro problema é que, quando tem uma barragem, não tem um sistema de abastecimento e a água não chega a três quilômetros de distância do local de origem. O que está mudando a situação são as adutoras que estão sendo construídas”, esclareceu o gerente executivo da Defesa Civil do Estado.

Cientistas encontram relação entre proteína do sangue e Alzheimer

Cientistas encontram relação entre proteína do sangue e Alzheimer

Níveis elevados de uma proteína chamada clusterina estariam ligados ao surgimento da doença

06 de julho de 2010 | 11h 30 - Reuters
LONDRES - Níveis elevados de uma proteína sanguínea chamada clusterina estão ligados ao surgimento do mal de Alzheimer, disseram cientistas na última segunda-feira, 5, numa descoberta que, no futuro, poderia permitir um diagnóstico precoce da doença.
Pesquisadores do Instituto de Psiquiatria do King's College, de Londres, disseram que, ainda que os médicos levem cerca de 5 anos para conseguir aplicar a descoberta em um exame que identifique futuras vítimas do Alzheimer, esse foi um grande passo.
O mal de Alzheimer é a forma mais comum de demência, condição de deterioração cerebral que atinge cerca de 35 milhões de pessoas no mundo. Apesar de haver pesquisas sobre a doença há décadas, os médicos ainda têm poucas armas efetivas contra ela.
Algumas drogas podem atenuar temporariamente os sintomas, mas inevitavelmente os pacientes acabam perdendo suas lembranças e a capacidade de entender o mundo e de cuidar de si mesmos.
O time de pesquisadores usou uma técnica chamada proteômica, que analisa proteínas, em 95 pacientes e chegou à conclusão de que a clusterina estava relacionada aos primeiros sinais do Alzheimer. O resultado foi publicado na revista médica Archives of General Psychiatry.
"Descobrimos que essa proteína estava aumentada no sangue até dez anos antes de as pessoas terem sinais do mal de Alzheimer em seus cérebros", disse Simon Lovestone, que comandou o estudo.
"E mesmo quando elas tinham sinais da doença no cérebro, ainda não tinham sinais clínicos do transtorno. Então, isso sugere que essa seja realmente uma mudança prematura, que ocorre em pessoas que vão desenvolver a doença", completa.
Lovestone destacou que ainda há muito trabalho a ser feito antes que um exame possa ser usado por médicos em clínicas, mas que no futuro essa técnica será parte de uma série de procedimentos para identificar pessoas em estágio inicial da doença.
A incidência mundial do mal de Alzheimer deve aumentar por causa do envelhecimento da população mundial. Segundo a organização Alzheimer's Disease International, esse número deve quase duplicar a cada 20 anos, chegando a 66 milhões de pacientes em 2030 e a 115 milhões em 2050.
"Achamos que esse é o primeiro passo na direção de um exame pródromo ou pré-clínico para a doença", disse Lovestone. Um exame pródromo é aquele que detecta uma doença antes do surgimento de sintomas específicos.
"Se eu olhar para o futuro, um teste assim poderá ser usado como parte do processo. As pessoas poderão fazer um exame de sangue e, então, aquelas que tiverem altos níveis de clusterina deverão investigar o caso mais a fundo", afirmou Lovestone.
Após o estudo inicial com 95 pacientes, os pesquisadores avaliaram os níveis de clusterina em cerca de 700 pessoas, incluindo 464 com Alzheimer, e descobriram uma ligação entre os níveis elevados dessa proteína e a gravidade da doença, a rapidez do seu avanço e a atrofia em uma área cerebral chamada córtex entorrinal, associada à memória.
Lovestone disse que o próximo passo, que pode levar cerca de um ano, é desenvolver um exame mais aprimorado, uma vez que o teste usado na pesquisa não é adequado para uso clínico.
"Quando tivermos preparado um exame melhor, precisamos analisá-lo em grupos maiores de pessoas, para ver se os resultados serão replicados", disse. "Todo o processo levará de três a cinco anos." 

Etta James - At Last

IQUE - No Jornal do Brasil

Mulher!

Skoob

BBC Brasil Atualidades

Visitantes

free counters